tijolices

Para ir sendo construído, disse eu no início. A obra acabou.

Nome:
Localização: Lisboa, Portugal

domingo, janeiro 23, 2005

Sótão da vida

Restos de dias, de pensamentos, de sonhos, guardados numa lata ferrugenta que de vez quando abrimos mas nunca temos coragem de deitar fora.

3 Comments:

Blogger lobices said...

...chamo a "isso" as memórias físicas; o que não se consegue separar do nosso próprio ser, daquilo que fomos, daquilo que somos e sempre seremos... quantas e quantas vezes nos perguntámos a nós mesmos porque raio de razão se guarda isto ou aquilo e não temos a coragem de deitar fora... "essas" coisas fazem parte de nós, da nossa memória e esta jamais se separa daquilo que somos

23 janeiro, 2005 13:45  
Blogger molin said...

Então eu sou "agarrado" às minhas memórias. Porque a minha própria mãe já ameaçou pegar fogo ao meu quarto pela tralha que lá há. Não consigo, por exemplo, deitar nenhum credencial fora. E sei bem a que serviço corresponde cada uma delas!

Não tenho sotão, porque vivo num! Tudo me diz alguma coisa e muito dificilmente consigo separar-me de uma simples entrada num museu, bilhete de autocarro e coisa que o valha.

É um exagero, bem sei reconhecer, mas parece-me que se deitar fora esse tipo de coisas que depois não me lembro do que vivi. Então guardo-as. Todas.

Assim "ficam" comigo. Para sempre.

23 janeiro, 2005 22:43  
Blogger TMara said...

Restos, são mesmo isso. Bocados de nós. Convém n/ ficarmos excessivamente agarrados.Mas k sabem bem, sabem! Bjs e ;)

24 janeiro, 2005 11:18  

Enviar um comentário

<< Home