tijolices

Para ir sendo construído, disse eu no início. A obra acabou.

Nome:
Localização: Lisboa, Portugal

segunda-feira, junho 20, 2005

De uma tijolice já antiga

“Não chorarei mais pelos que se perderam, dormindo nas suas sepulturas de água. Não tenho mais lágrimas para derramar pela minha juventude no templo do boi malhado. A vida é forte dentro de mim e não padecerei por aquilo que existiu ou poderia ter existido. O meu caminho é diferente e devo segui-lo até onde ele me levar. (...) Era uma época de paz em toda a Atlântida. Os deuses estavam felizes e o povo prosperava. Nós, as crianças, brincávamos sob o disco dourado de Bel e os nossos corpos cresciam fortes e morenos; (…) e os nossos dias passavam-se numa terra onde havia todo o conforto, pensando que iria ser assim para sempre. (...)
As vozes dos mortos falam: «Conta a nossa história» dizem elas. «Vale a pena ser recordada.»”


in Taliesin, O Ciclo Pendragon, Stephen Lawhead, edições Círculo de Leitores (1992) e Bertrand Editora (1994)

29 Comments:

Anonymous Ni said...

Ei Atlantis...ganda Mitsou!!!
És mesmo de "Cristal".Mil beijinhos e muito muito obrigada.

20 junho, 2005 00:20  
Blogger wind said...

Lindo:) beijos e boa semana:)

20 junho, 2005 00:32  
Anonymous IO said...

Viste, Ni?, ela é mesmo porreira! - beijo às duas,IO.

20 junho, 2005 00:56  
Blogger Raquel V. said...

O único autor que alguém do meu passado lia... Acontecem assim os socos no estômago...

E no entanto tudo resto é paz... por momentos...
Um Beijão querida Mi :*

20 junho, 2005 01:15  
Blogger Pamina said...

"And so I take my pen and begin to write..."

À segunda leitura do texto, a frase "pensando que iria ser assim para sempre", fez-me refletir no seguinte: pensamos muitas vezes que a felicidade nunca se acabará, esquecendo-nos do quanto ela é efémera. É preciso lembrarmo-nos disto e apreciar ao máximo cada dia de preciosa felicidade.
Um beijinho

20 junho, 2005 01:53  
Anonymous Anónimo said...

Não é dificil ser-se infeliz ,o dificil é ser-se feliz, mas isso não é razão para não se tentar.

Um abraço

Carlota Joaquina

20 junho, 2005 08:18  
Blogger Tão só, um pai said...

Não estaremos vivos nem com saúde, sempre. Esta é a única verdade. Saibamos apreciar a juventude que nos resta.
E estás muito bem na fotografia.
Beijinho de bom dia.

20 junho, 2005 08:54  
Blogger AS said...

Sabes Mitsou, tudo é tão efémero... os momentos de verdadeira felicidade, são aqueles que que devemos guardar dentro de nós, os outros... apenas nos magoam!

Um beijo grande

20 junho, 2005 09:05  
Blogger th said...

Só para deixar um beijo, muito contente por ter net e poder comunicar.

20 junho, 2005 09:46  
Blogger lobices said...

...sim...contar...contar para que todos saibam...
...os momentos felizes devem ser partilhados...
:)))***

20 junho, 2005 10:32  
Anonymous Ni said...

Mitsou feliz e linda...só pode ser essa a legenda.Beijinhos mil

20 junho, 2005 11:00  
Blogger Madalena said...

"Era uma época de paz em toda a Atlântida."
Temos de reinventar os mitos querida Mitsou. Os paraísos perdidos reencontram-se noutras coordenadas. Mil beijinhos e mais uma vez te digo que vale a pena conhecer alguém como tu!

20 junho, 2005 11:15  
Blogger Anna^ said...

Muito bonito :)

Uma boa semana para ti :)

bjokas ":o)

20 junho, 2005 11:20  
Blogger Raquel V. said...

:) Mi, tão sorridente! Que bom! Um beijinho matinal enorme! :*

20 junho, 2005 11:30  
Anonymous Dora said...

Essas sagas são tão belas!
Um beijinho e boa semana, Mitsou :-)

20 junho, 2005 11:30  
Blogger JMTeles da Silva said...

Porque foste buscar este trecho?
Sou munta curioso :)

Do teu novo visual só posso dizer:
Aaaaa.....ai! (suspiro). Utiliza o teu com charme com parcimónia pois ele, assim, pode matar!
Beijo tuas mãos, ó Luz, que esse brilho não feneça, jamais...
Estás de estalo!

20 junho, 2005 12:27  
Blogger Mitsou said...

Abrindo aqui uma excepção, respondo ao curioso do Zé Maria:

Sabes, por vezes, uma frase ouvida num evento, sobre uma realidade que conhecemos e vivemos no passado, fica a martelar cá dentro. Enquanto essas páginas não forem escritas, ficamo-nos pelas analogias. Sob o manto da fantasia, gostei do trecho e do que por detrás dele se lê. E afinal são, como eu costumo chamar às minhas tijolices, as palavras dos outros que eu "escrevo".
Beijo grande, meu amigo :)

20 junho, 2005 13:38  
Blogger JMTeles da Silva said...

O excepcionado agradece, reconhecido e esclarecido.
Há que ter coragem e, de frente, pegar o animal pelas protuberâncias frontais ósseas.
Alguém terá de contar a História verdadeira, sem titubear, sem complexos, assumindo os erros e enaltecendo as qualidades.
Bem hajas se fores uma dos que o quiser fazer. Beijo.

20 junho, 2005 13:50  
Blogger Eva Lima said...

Partilhar as memórias para que sejam.
Um beijinho grande.

p.s. gostei da foto nova

20 junho, 2005 15:09  
Anonymous Anónimo said...

...Atlantis/Africans
:)*

20 junho, 2005 15:34  
Blogger Isabel-F. said...

Oi Mitsou...

Por que houve o lançamento do Xicuembo, ouvi falar de ti... e não resisti a vir conhecer o teu Blog.
Gostei da visita que fiz... e vou voltar....
Parabéns pelos trabalhos que aqui tens...
Bjs

20 junho, 2005 15:37  
Blogger Daniel Aladiah said...

Querida Mitsou
Sempre pensei que eram louros :), mas assim é melhor. Bela tijolice.
Um beijo
Daniel

20 junho, 2005 16:06  
Blogger Bárbara Vale-Frias said...

Mitsou... estás linda nesta fotografia nova. Se calhar já cá estava há alguns dias mas só agora reparei nela :)

Bjs

20 junho, 2005 17:02  
Blogger Bárbara Vale-Frias said...

De que género é o livro? Crónicas? Romance? Biografia? Tem imagens? É só texto?

Fazes-me um apanhado? ;)

Bjs e obrigada!

(reitero o que disse... estás muito bonita mesmo na fotografia! que sorriso expressivo!)

20 junho, 2005 21:26  
Anonymous IO said...

E ainda por cima, a Mitsou está tão bem na nova foto!!

20 junho, 2005 21:50  
Blogger agua_quente said...

Não chorar pelo passado é uma decisão sensata. E fazê-lo perdurar contando-o é uma forma de exorcizar fantasmas. Beijos

20 junho, 2005 22:12  
Blogger lique said...

Um belo texto. Tenho um sobrinho que adora os livros desse autor. Beijinhos, linda.

20 junho, 2005 22:28  
Blogger António said...

Como gostaria que o texto que aqui postaste se referisse a Portugal!
Jinhos

20 junho, 2005 22:55  
Blogger Incompetente said...

É.
Uma boa história merece sempre ser contada.
Mais que não seja, para reavivar nas nossas memórias a efemeridade das coisas e da nossa própria existência!

P.S. Quanto à tal falta injustificada, espero que o post que dediquei, no meu Zero, ao Xicuembo e ao seu progenitor, o Carlos Gil, possa, de alguma forma, atenuar o castigo ou reparar a ausência.

Beijo incompetente!

20 junho, 2005 23:33  

Enviar um comentário

<< Home