tijolices

Para ir sendo construído, disse eu no início. A obra acabou.

Nome:
Localização: Lisboa, Portugal

quarta-feira, setembro 28, 2005

Silêncio falado

Me gustas cuando callas...

Me gustas cuando callas porque estás como ausente,
y me oyes desde lejos, y mi voz no te toca.
Parece que los ojos se te hubieran volado
y parece que un beso te cerrara la boca.

Como todas las cosas están llenas de mi alma
emerges de las cosas, llena del alma mía.
Mariposa de sueño, te pareces a mi alma,
y te pareces a la palabra melancolía.

Me gustas cuando callas y estás como distante.
Y estás como quejándote, mariposa en arrullo.
Y me oyes desde lejos, y mi voz no te alcanza:
déjame que me calle con el silencio tuyo.

Déjame que te hable también con tu silencio
claro como una lámpara, simple como un anillo.
Eres como la noche, callada y constelada.
Tu silencio es de estrella, tan lejano y sencillo.

Me gustas cuando callas porque estás como ausente.
Distante y dolorosa como si hubieras muerto.
Una palabra entonces, una sonrisa bastan.
Y estoy alegre, alegre de que no sea cierto.

(Pablo Neruda)

19 Comments:

Blogger lobices said...

...é belo
...espero a tradução
:)**

28 setembro, 2005 00:38  
Blogger sonhos sonhados said...

kerida Mitsou

lindo poema!

...porém se o Romero,
a Anatema,
a Dizzie
e
a Concha
me davam que fazer
por vezes...
............agora lá terei
de fazer mais umas pesquisas
"dicionárias".

Pablo Neruda
...um marco!
lindo o seu cantar...
adoráveis as suas palavras...

beijux létinha.

28 setembro, 2005 01:16  
Blogger andorinha said...

Belíssimo poema, Mitsou.
O silêncio, a palavra e o sorriso, como nos encantam a vida.
Beijinhos muitos.:)

28 setembro, 2005 01:19  
Anonymous Anónimo said...

...depois gosto muito de ti,claro,estragas-me com mimo!!!!
um abraço,acrescenta um sorriso,assim...hum!
lua

28 setembro, 2005 01:47  
Blogger nadanovo said...

Ouvir dizer um Poema de Neruda ao pequeno almoço é o que chamo um Luxo, nos dias que correm. Obrigado.

Bom dia!

28 setembro, 2005 09:49  
Blogger Anna^ said...

Lindo :))

E ainda dizem q os silêncios não são preciosos!

Bjokas Mitsou e um bom dia, pq o meu já o é...e tb graças a ti :))))

28 setembro, 2005 09:57  
Blogger wind said...

Lindo:) beijos

28 setembro, 2005 10:17  
Blogger Laura Lara said...

Quebro o silêncio, para te dizer olá e para te deixar um grande beijinho.

28 setembro, 2005 12:38  
Blogger LetrasaoAcaso said...

Pensei que já tinhas encerrado o blog.
Tenho paixão por Neruda.
Beijo

28 setembro, 2005 13:05  
Blogger smartins said...

(...)
Lindo!!!
beijinhos

28 setembro, 2005 14:45  
Blogger gato_escaldado said...

Pablo Neruda. sempre. e sua Matilde. rsss . beijos gatinha Mitsou

28 setembro, 2005 16:06  
Blogger TMara said...

maravilhosa prenda esta k hoje nos deixas. Beijos doces e marinhos.

28 setembro, 2005 18:03  
Blogger Caiê said...

Amo Neruda, completamente! Acertaste em cheio! *******88

28 setembro, 2005 23:09  
Blogger Pamina said...

Olá,

Gostei muito de ouvir. Obrigada por este belo presente:).
Muitos beijinhos.

28 setembro, 2005 23:50  
Blogger Mitsou said...

Lua,

Tu é que me enches de mimos, amiga.
E só posso agradecer-tos aqui.
Beijinho muito doce

29 setembro, 2005 01:42  
Blogger augustoM said...

Lindo poema do Neruda, Mitsou, em especial a última quadra que é um autêntico hino de amor.
Um beijo. Augusto

29 setembro, 2005 13:54  
Blogger elisa said...

Ainda no outro dia, li este lindo poema no livro acabadinho de comprar de um amigo meu.Agora, mera curiosidadade de tradutora, como traduzirias o título?Beijinhos e um abraço:)!

29 setembro, 2005 15:21  
Blogger Yardbird said...

Ah! o meu poeta do coração, sabias?
Beijinhos, muitos :-)

29 setembro, 2005 17:26  
Blogger Sextosentido said...

:) obrigada pela partilha!

29 setembro, 2005 18:36  

Enviar um comentário

<< Home