tijolices

Para ir sendo construído, disse eu no início. A obra acabou.

Nome:
Localização: Lisboa, Portugal

domingo, fevereiro 06, 2005

Um soneto perdido de William Shakespeare


"Devo comparar-te a um dia de Verão
P'ra que assim a rosa da beleza nunca morra?
Se de pesado sono meus olhos cegos estão
É o coração que nele fiques te implora.
Se pudesse dos teus olhos a beleza escrever
Com meios mais sublimes que meu árido verso,
Para tua verdadeira imagem retratada ver
Não cuidaria das horas o progresso.
Com a tua perda lucra o meu amor, se te perder,
E no entanto o amor sabe que é maior o penar:
Ver que a tua lembrança não logra conter
O fraco consolo que ao arguido lhe traz o pesar.
Mas por isso mesmo sábia lição aprendi,
Nessa peleja com o Tempo por amor a ti."

( in O Falecido Sr Shakespeare, de Robert Nye, Temas e Debates, 2002, trad. Lucinda Santos Silva)

12 Comments:

Blogger Madalena said...

Shall I compare... soa-me bem em Inglês.
A tua tradução é linda. Deve ser muito difícil traduzir poesia, não é Cin?
Beijinhos e bom domingo

06 fevereiro, 2005 11:11  
Blogger lobices said...

...presumo uma tradução perfeita... :)*

06 fevereiro, 2005 13:47  
Blogger Toze said...

"Mas por isso mesmo sábia lição aprendi,
Nessa peleja com o Tempo por amor a ti."

Beijão
Finurias

06 fevereiro, 2005 18:53  
Blogger Blue C. said...

Muito obrigada pelo teu comentário no meu Mar. Peço desculpa de começar logo a tratar por "tu", se calhar estou a abusar. É que pela Blogolânida (como eu chamo) tenho descoberto pessoas "cotas" que são muito mais jovens que muito adolescente que por aqui anda. E já vi que conheces alguns deles, como a Titas, o Eduardo, o Quim... Espero não ter abusado. Um beijinho

06 fevereiro, 2005 22:27  
Blogger titas said...

Mana, lembras-te de eu ter comentado há algum tempo como deveria ser difícil ser tradutora literária, sobretudo de poemas? Traduzir, não 'trair', mas também não 'melhorar'. E pensava no Corvo traduzido por Álvaro de Campos.
E agora, apareces-me tu, Lucinda Álvaro de Campos, a traduzir o Robert Nye's "long last poem of the Late Mr Shakespeare"?
Caraças, pá! Tou impressionada! E, reduzida a menos de sub-nitrato de pó de merda, vou traduzir a minha "molded and slab polyurethane foam prepared from double metal cyanide complex-catalyzed polyoxialkylene polyols"

07 fevereiro, 2005 00:26  
Blogger titas said...

Já agora, diz tudo: que mais traduziste?
E por que não todo o Late Mr. Shakespeare? Adoraria ouvir-te contar as histórias de Pickleherring sobre o falecido.
Beijo orgulhoso da mana da LUCINDA
titas

07 fevereiro, 2005 00:32  
Blogger Mitsou said...

Já tinha pensado nisso, mana. Transcreverei um ou outro episódio hilariante, para aguçar o apetite. À laia de "teasers", tás a ver? Agora, fiquei sem palavras ante tamanhos encómios. Eu sim, orgulhosa me sinto de ser mana da TITAS!

07 fevereiro, 2005 10:26  
Blogger TMara said...

Só me apetec dizer ( e sugerindo-o o digo): esta m**** n/ anda. Fico pr'aqui pasmada, a pastar, a olhar enqnt o bicho rumina e depois cai e fica a dormir. Bom, vamos aso k interessa, já k abriou, o k é um luxo!
belíssima tradução. Na estrutura e na
purreza de linguagem caracterísitca do "crido" SheK.Andei vendo ali p/ baixo. Olha lá, qnd não precisares + do decorador manda-o até cá.Mas não esqueças. Bjs e ;)

07 fevereiro, 2005 15:36  
Blogger Mitsou said...

TMara, olha, o Laurence já anda à procura de um espaço para montar um atelier aqui em Lisboa, tantos têm sido os pedidos e as visitas ao site dele! É carote, lá isso é, mas vale a pena! :)))

07 fevereiro, 2005 16:25  
Blogger lique said...

Belíssimo! Foste tu que traduziste pelo que li. Deve ser muito difícil traduzir poesia. Parabéns. Beijinhos

07 fevereiro, 2005 18:21  
Blogger peciscas said...

O velho William, com a música que se ouve aqui - uma dupla perfeita.

07 fevereiro, 2005 19:06  
Anonymous Daniel said...

O soneto VXIII é o meu favorito, traduz, nas palavras que me faltam, o que desejo dizer...

05 outubro, 2006 13:29  

Enviar um comentário

<< Home